0

Meus ouvidos não são penicos!

Por: Juliana Bettini

 

Ando percebendo que tenho tido mais preocupação com a Língua Portuguesa do que normalmente eu já tinha.

Como jornalista, é claro que me policio para não cair em vícios de linguagem, largar um “seje”, pra mim, é a morte!

Talvez o pessoal ligado as áreas da linguagem culta vá me entender, talvez as mães zelosas também me entendam… Talvez, quem “se mate” de estudar vai me entender ainda mais!

Como pode um linguajar tão vulgar como os que estão sendo usados nas redes sociais faça tanto sucesso?

Sim, eu sei, num país onde a 16ª edição do BBB está no ar em horário nobre, não dá pra esperar muita coisa.

bbb

Mas que saudade de quando eu me preocupava apenas se minha filha estava pronunciando corretamente as palavras, de corrigí-la num “pra mim fazer”…

Não vou negar que os palavrões tem um efeito de catarse! A questão aqui é o que é exposto indiscriminadamente…

Como mãe, minha preocupação é em ver o conteúdo que minha filha assiste nos canais do Youtube! Onde “Kéferas” despejam toda a imbecilidade de pensamentos rasos, recheados de palavras chulas, vulgares, totalmente desnecessárias e horríveis de serem repetidas por qualquer um que seja!

Não, minha reflexão aqui não é contra a moçoila citada. Aliás, me sinto eu a imbecil de pensar para escrever coisas que sejam realmente interessantes para quem lê. De elaborar a frase para que o texto não fique chato ou maçante. Ela está muito bem ganhando uma fortuna pra despejar na Internet o que bem entende.

Por isso, voltando ao foco desse texto, gostaria que alguém pudesse me convencer de que, para mostrar uma emoção ou dar ênfase a um pensamento, necessariamente, precisamos incluir palavrões na frase!

Pois acredito e vou até o fim dos meus dias achando que não! Que a beleza de um texto, escrito ou falado está na riqueza com que é construído e na entonação de quem o interpreta.

E vou além, acredito que as palavras são carregadas de significados e de energia, e por mais que esses “youtubers” estejam em ênfase e ganhando rios de dinheiro com seus canais de conteúdo inútil – ok, alguns são até engraçados – eu não consigo acreditar que faça bem a quem o diga!

foda-se

E, antes que alguém me chame de careta, eu uso meu botãozinho do foda-se, mas é como ir ao banheiro, não precisa ser em público!

juliana assinatura

Juliana Bettini

Anúncios