2

A lição de Rafaela

Por Juliana Bettini

Hoje o nome de Rafaela Silva tornou-se popular, comum a todos os brasileiros que acompanham os Jogos Olímpicos Rio 2016. A conquista da medalha de ouro da judoca brasileira teve um sabor de alma lavada!

Nas Olimpíadas de 2012 Rafaela foi penalizada com a desclassificação por conta de um golpe irregular sobre a húngara, Hedvig Karakas. Muito pior do que a eliminação da competição, a atleta negra, nascida na favela, sentiu o peso da chibata moderna – a língua cruel de uma sociedade que está longe da perfeição mostrada nos seus perfis do facebook.

jud_rafaelasilva

A resposta veio em forma de ouro                                   foto: Márcio Rodrigues/Fotocom

O motor da inconformidade

Depois de Londres a militar, terceiro sargento da Marinha do Brasil, voltou às atividades, de cabeça erguida e quase anônima. Buscou o caminho mais longo e árduo, mais quatro anos de treinamento. E valeu à pena! Ela calou a todos que a insultaram. Todos e, principalmente, àqueles que escondem suas incapacidades atrás dos seus perfis felizes e perfeitos.

A vitória de Rafaela Silva é um sopro de esperança para essa geração “Neymar”, que tem mais marketing do que garra. Pois mostra de forma clara, didática, que a inconformidade com o “destino” pode mudar uma vida! Aprendamos com ela a não nos conformarmos com pouco, a nota mediana ou com alguém que nos diz que não temos capacidade, dignidade, competência, merecimento… ou seja lá o que for.

Sejamos rebeldes focados! Sem blá blá blá ou mimimi, troque o discurso pela ação!

Só quem pode impor limites a você é você mesmo!

juliana assinatura

Juliana Bettini

Botao