1

Já pensou que ela pode gostar de futebol tanto quanto você?

Dia 28.05.16, no Estádio Giuseppe Meazza, em Milão, Itália, a nação futebolística aguardava o início da tão esperada final da Champions League, entre os times espanhóis Real Madrid e Atlético de Madrid.

Como sabemos, boa parte do mundo dá uma paradinha para acompanhar o campeonato de futebol mais prestigiado e aguardado pelos fanáticos pela bola. Os homens enlouquecem quando o primeiro acorde do hino da UEFA Champions League inicia e querem apenas sentar e assistir a um dos momentos mais marcantes no mundo dos esportes, sem interrupções, é claro!

Sabendo disso, a Heineken, cerveja Premium mais internacional do mundo – segundo a marca – juntou o campeonato de futebol mais prestigiado do mundo – de fato – e criou uma experiência incrível, mostrando que as mulheres também gostam de futebol e querem acompanhar junto com seus amigos, namorados, maridos ou apenas entra amigas a final do campeonato!

E como isso foi feito? A marca disponibilizou no Facebook o filme “The Cliché”. Este filme mostra três casais indo ao restaurante uma semana antes da final da Champions. Chegando lá, os homens recebem um convite tentador quando abrem seus cardápios: “Quer ficar livre para assistir à final da UEFA numa festa da Heineken? Dê para sua mulher um fim de semana neste spa”.

O vídeo corta então para o dia da final. Enquanto os três homens esperam o início da partida em um evento exclusivo da marca, em São Paulo, as suas namoradas apareceram no telão com roupões para conversar com eles, comentando o quão maravilhoso era o local onde elas estavam!

 

De repente, elas tiram os adereços e revelam que estão, na verdade, em Milão, em frente ao estádio palco da grande final, para acompanhar a partida ao vivo!!!! “Já pensou que ela pode gostar de futebol tanto quanto você?”, diz então o texto da campanha.

 

A ação conseguiu atacar estereótipos, colocando as mulheres no centro das atenções e ao mesmo tempo, dando uma lição nos homens de plantão: sim, nós mulheres também podemos gostar de futebol!

A empresa investiu em uma ideia que une não só uma experiência real, como uma grande história, com uma virada sensacional, tudo isso aliado ao conceito global da marca: Open Your World, que inspira as pessoas a ampliar suas fronteiras.

Se você ainda não assistiu, clique aqui e divirta-se!

cibeleramos.jpeg

Cibele Ramos

Botao

 

4

Não procure Deus no facebook

Por: Juliana Bettini

redessociaisSou uma fã das redes sociais. Faço uso de muitas e recorro a elas para interagir com amigos, me manter informada, pegar dicas de lugares, enfim, pra mim elas são tudo de bom!

Nós mesmas, as Quarentando, já comentamos que foram elas que nos reaproximaram e também nos mantém unidas!

Fã confessa que sou, há dias venho pensando em falar sobre algo que vejo e não concordo. Na verdade, uma das coisas das quais vejo e não concordo. Mas longe de mim querer ser uma “facechata”. É apenas algo que tenho vontade de falar pra ver se não estou só nesse pensamento: Deus tem facebook?

terço-destaqueAté onde sei, não né? E sua onipotência e onipresença, o liberam de qualquer sinal de wifi, 3G, 4G, fibra óptica ou qualquer outro meio que nós, reles mortais, necessitamos pra saber o que acontece na vida daqueles que não ligam de expô-la nas redes. Outra coisa que aprendi, há bastante tempo, que é um meio muito eficaz de entrar em conexão com o Senhor é a oração. Aquela que fazemos no íntimo do nosso quarto ou nos bancos das Igrejas, quando fechamos os olhos e abrimos o coração.

Esta não é uma conversa sobre religião. É um sim um papo sobre exposição. Aliás, na verdade, não tenho nada a ver com o tanto que cada um quer se expor nas mídias sociais. Mas usar “Deus” para gritar seus problemas ao mundo, pra mostrar como sua vida é difícil e como você sofre… sinto muito, mas não é o caminho para a “salvação”. No máximo será o caminho para aguçar a curiosidade alheia, para a especulação dos “incheridos”…

Para mim, soa, no mínimo, estranho. Porque o cidadão clama à Deus num texto que seria uma conversa “in box” com o Altíssimo, caso fosse possível, e faz metade de quem lê sentir-se intrometido se perguntar e, para os mais íntimos que perguntam, a resposta é: “te falo in box amiga”.

Sério! Ou melhor… sério????

Ok. Eu falei que não queria ser uma “facechata” mas é sempre bom lembrarmos que a rede é social. Se este chapéu estiver servindo a alguém nesse momento, não me leve à mal… leve como um conselho de uma amiga, um toque mesmo.

Pense nela como um lugar como uma grande festa. Na qual muitos, a maioria, você conhece de vista, alguns você tem grande intimidade e outros são pessoas queridas com as quais você pouco tem contato. Você chegaria gritando seus problemas? Duvido quem faz isso dentro da Igreja quando o padre, pastor, servo, ou sei lá o que, diz para pedirmos à Deus ouvir as nossas preces. Fazemos isso em pensamento!!! Então o que leva a pessoa a escrever em modo público suas aflições falando diretamente à Deus????

Mas problemas, quem de nós não os tem?

Pra encerrar, e pra não ser mal interpretada, eu acho que mostrar gratidão é outro departamento. Você pode estar num dia muito feliz por algo de bom que te aconteceu e aí agradecer à Deus publicamente é algo bem diferente de gritar seus problemas.

#soacho #ficaadica #beijomeliga

juliana1

Juliana Bettini

coracao